quinta-feira, Janeiro 02, 2014

Strike #1/2014

Regresso, em silêncio. Em bicos dos pés e por impulso. Sem expectativas ou grande confiança de conseguir retomar uma rotina que em tempos foi lugar seguro.

quarta-feira, Agosto 01, 2012

Back to the start

Se calhar vou voltar...

quinta-feira, Fevereiro 17, 2011

The End

Vou mudar de casa de letras e de palavras soltas, vou mudar de lugar. Este fica aqui tatuado para sempre. Um carimbo na pele que visitarei sempre. Um ponto de partida para uma largada em viagens e aventuras, alegrias e mágoas. Vou procurar outro. Vou encontrar outro para arrumar outras tantas e vou deixar que me encontrem, se quiserem...

quinta-feira, Julho 29, 2010

quarta-feira, Julho 28, 2010

Impressões

Em breves segundos, são mil fragmentos - feitos de gordas gotas de litro - que cortam furiosas diagonais como se não houvesse tempo a perder. Caem como quando choro. Devagar e tristes, riscam toscos traços sem sentido. Estranhos e magnéticos são-me vagamente familiares. Perco-me no contratempo e nada mais me move.

Terei passado?

Releio-me e já não me lembro. Há coisas que vivi que não me parecem minhas. Sabem a sonho, a não real. Sabem a passado e já não estou tão certo que as tenha vivido. Estão ao longe, no limiar da verdade e da fantasia. Sei que são minhas mas já não as sinto...

quinta-feira, Julho 22, 2010

Um arzinho de sua graça...

... dou, mas a medo, com a sensação de que já não sei ou de que me posso me ter esquecido. Sem a segurança de sentir desmesuradamente. Dou porque sim.

quinta-feira, Março 11, 2010

(...)

...!

quinta-feira, Fevereiro 25, 2010

Desta teve mesmo de ser...

São 3 da manhã. Meto as chaves à porta de casa e sou surpreendido por dois meliantes com o intuito de incorrer num furto agravado. Dou mais ou menos conta do assunto. Entre gritos de indignação e palavrões bem assustadores, algumas esquivas milimétricas e a preciosa ajuda de um destemido fogareiro, afasto os delinquentes. Grandes pelintras. O que eles queriam era a chave do Twingo, os pequenos criminosos. Minutos depois, já no conforto e segurança do meu lar, sou surpreendido com um toque de campaínha frenético. Ai tu queres ver! Era o vizinho da frente. O delator: - Chamei a polícia, anda, desce daí. Vamos à esquadra apresentar queixa dos gatunos. - Ah! Obrigadinho deixe lá isso, eles... Não deixo nada, anda lá. Tens de apresentar queixa! - F@#$%-se qu'é chato! - Lá fui, contrariado, apresentar queixa dos delinquentes. Tive de os identificar - numa sala, virados de costas, apontei-lhes o meu dedo acusativo. Só me queria ir embora dali. E fui, passadas algumas duas horas. Muito depois dos acusados que, ao que parece, tinham compromissos importantes. Passaram-se cinco anos, nos quais faltei a todas as diligências a que devia ter ido. Queria lá saber dos meliantes. Não me incomodem! Já bastou o próprio dia da ocorrência e todos os que se seguiram em que encontrava o vizinho delator: - Olha lá fui chamado para aquilo! Estragaste-me as férias. Grande trinta e um que me arranjaste. - Eu?! - Sempre a queixar-se, o chato de galochas. Haja paciência para as lamúrias do delator. Notificação para comparecer em tribunal, cinco anos depois! Desta vez não pude fugir mais, sob risco de detenção e multas agravadas. Sozinho, sem qualquer tipo de apoio jurídico ou aconselhamento legal, ponho-me a caminho do Campus da Justiça. A imponência do nome obriga-me a endireitar as costas sempre que o oiço ou pronuncio. Um aglomerado de tribunais para todos os gostos. Edifícios de A a K divididos e sudivididos em incontáveis secções e repartições, só mesmo superadas pela quantidade de pequenos criminosos. Parecia uma concentração da classe dos gatunos, os estereótipos estavam lá todos. Tudo à espera do juízo da Sr. Justiça. E eu também. Uma hora na fila para entrar, descobrir a sala de audiência - dez minutos - mais vinte e cinco á espera de ser chamado. A minha sorte é que comigo, também à espera, estava um dos larápios. Simpático, não? Tirem-me deste filme! Finalmente uma jovem simpática canta o meu nome. É o início do fim. Entro na sala e os semblantes destes profissionais da justiça assustam-me mais do que o dos ratoneiros da sala de espera. Tenebroso. Lá jurei dizer a verdade. E disse, teve mesmo de ser...

quarta-feira, Fevereiro 17, 2010

Enlightenment...

Já não sou um. Deixei de ser só eu, há muito. Sou eu e tu. E é nesse momento que deixo de existir, como era. Existo contigo, existimos. É enleado e labiríntico o enredo que insisto em manter. Bem sei. Sempre soube. Mas agora, no emaranhado que crio, somos dois. E não posso. Não devo. E não quero. Assim, corto fora o que não nos serve, os impulsos de ser sozinho. Descomplico. Censuro os ímpetos de uma outra forma de estar. Organizo-me, concentro-me, cresço...

terça-feira, Fevereiro 09, 2010

...

Sentir tudo de todas as maneiras. Viver tudo de todos os lados. Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo. Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos. Num só momento difuso, profuso, completo, longínquo... Sentir tudo de todas as maneiras. Ter todas as opiniões. Ser sincero contradizendo-se a cada minuto. Desagradar a si próprio pela plena liberalidade de espírito.

Álvaro de Campos

sábado, Fevereiro 06, 2010

quarta-feira, Janeiro 27, 2010

Tergiversar

Voltar as costas. Usar de evasivas, procurar rodeios, empregar subterfúgios. Hesitar.

Se pudesse

...não saía de lá. Deixava-me ficar, embuído na rotina diária. Acordo de um salto com os primeiros raios de luz. E ainda meio dormir, pego fogo à panela, até ferver. Pacote de massa bem regado a limão e está feita a refeição dos duros. Primeiro estranho depois... O frio não existe, convenço-me. E é fácil. Não espero por ninguém e à hora de abertura já lá estou. Arrancam, comigo, as primeiras cadeiras. Sou eu e poucos mais. Ainda é cedo. O ar gelado queima-me, suave,  a pele e confirmo: - estou onde gostaria de estar sempre!

segunda-feira, Janeiro 18, 2010

quinta-feira, Janeiro 14, 2010

Falta de...

Em branco. Está inerte e sem vida o fio condutor que em tempos me impelia a gravar aqui, amiúde, o que me ia na alma. A vontade existe, garanto(-me) e é a mesma de sempre. Já o ímpeto, aquele movimento impulsivo e violento,  que me obrigava a largar por aqui, sem qualquer tipo de resistência, a verborreia latente do meu espírito inconformado, esse, não sei dele. Fugiu-me sem aviso. Não obstante, esta não me parece justificação à altura. Assim, acho que vou culpar o tempo. É isso, não tenho tempo. Diz, que é o que se deve fazer quando não se faz alguma coisa de que se diz que se gosta. Usa-se o trunfo. O Tempo. Falta-me o tempo. Tenho lá eu tempo para isso. Assim durante um momento - não mais que um suspiro - quase que acredito. A verdade é que não me apetece, nem acho que deva, obrigar-me a vir aqui só porque me apetece que me apeteça escrever. E apetece! Não sei se me faço entender...?    

quinta-feira, Dezembro 10, 2009

Flashback


À memória, imagens que parecem irreais e de outro tempo, de outra vida. Somos outros. Distintos. Diferentes.

Kompensan?

Não há nada pior, para mim, do que deixar uma impressão errada. Permitir que uma pessoa - ou mais grave, um grupo delas -  fique com a ideia de que sou, de alguma forma, qualquer coisa que não sou. Não se pode estar sempre bem - bem sei - nem tão pouco agradar a todos. Mas, no caso concreto, a falha é minha. Pior, apercebi-me da falha, da entrada a pés juntos, fora de tempo, do tom, do desafino do discurso. Tive a nítida sensação que não se pedia tanto. Não daquela forma. Apercebi-me por breves segundos, enquanto falava, mas não realizei. Não interiorizei. Não liguei. E não desfiz o que já tinha feito. Deixei uma impressão que não é a minha, com a qual não me identifico. Custa a digerir...

L.

Na vida nada é certo. Ela própria muito menos. E pode fugir-nos, assim, do nada. Num instante, num sopro, numa brincadeira, sem dar tempo... desaparece. Sem ser suposto, apaga. Ficam as histórias e as memórias, as imagens e as viagens. Ficam, diferentes em cada um. Ficam os momentos e as palavras, ficam os disparates e as gargalhadas. Ficam os sorrisos. Esses ficam para sempre. Esses guardam-se. Eu guardei...até já.

sábado, Dezembro 05, 2009

Arte De Raiz

Gosto de peças de raiz. Peças que pela força da sua presença parece que ganham vida. E ganham. Peças que parecem intocadas, que parecem ser como sempre foram. Naturalmente bonitas. Fortes. Vivas.

Just a thought...

Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir. O que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto...

Bernardo Soares

segunda-feira, Novembro 23, 2009

The Animal in Me...


Buda by Inês Barbosa

sexta-feira, Novembro 20, 2009

Someone said...

I'd rather be a could-be if I cannot be an are; because a could-be is a maybe who is reaching for a star. I'd rather be a has-been than a might-have-been, by far; for a might have-been has never been, but a has was once an are.

quarta-feira, Novembro 18, 2009

A ver vamos...

Hoje saí da casca. Deram-me corda e desbobinei. Afinal, as portas que pareciam fechadas a sete chaves e cadeado, estão apenas encostadas. Às vezes é só preciso mostrar que se acredita... eu acredito.

Enemies I

Ganhei o meu primeiro inimigo. A encomenda chama-se Umberto What the Fuck Ever. É um ser desconexo e desconcertante. Alto, magro e de odor duvidoso. Apresenta-se, a princípio, como assessor de imprensa. A credencial que enverga - orgulhosamente - diz Imprensa | Press, fez-me lembrar aqueles bilhetes de identidade com que grande parte da malta da minha geração se apresentava no saudoso Benzina. Aqueles  em que a falcatrua estava à vista, mesmo antes de os mostrarmos. Isto só se admitia e tolerava porque teríamos na altura treze anos - e tal devia ser a pressão que se fazia aos paizinhos que, muitas das vezes, eram eles próprios que os falsificavam. Bem, se isto é admissível a um cachopo de treze, a uma criança de quarenta e sete já não me parece tão aceitável, mas enfim. Eu - que tinha sido chamado para autorizar (ou não) a entrada de um membro da imprensa na sala de espectáculo - dirigia-me ao local de acção predisposto a facilitar o acesso ao "jornalista". Foi nos três primeiros segundos que a predisposição se esvaneceu, nos três a seguir desapareceu por completo e no tempo restante - que foi monstruosamente mais do que aquele que devia ter sido - a certeza de que as portas estariam para sempre fechadas a esta personagem foi-se solidificando em direcção ao absoluto. Foi o chamado martírio dos pecadores. Não o dele. Este tinha protecção divina. E não era só uma, eram para aí umas cinco em forma de pin da Nossa Senhora. Ah! Valente. O espécime era também psicólogo e filósofo, percebia (muito) de assessoria jurídica, tinha relações muito estreitas com o Superintendente-Chefe-Director-Nacional da Polícia de Segurança Pública - parece que tinha privado com ele durante uns largos dois ou três minutos -, o que era muitíssimo conveniente já que era a Banda Sinfónica da PSP que tocava cá em casa. Tinha, no caso de eu querer confirmar, todos os diplomas e acreditações daquilo que alegava ser. Não as chegámos a ver. Era igualmente muito próximo da Exma. Sra. Ministra da Cultura, a Dra. Gabriela Cavilhas. A diarreia verbal desta personagem era tão desconexa quanto desinteressante. A dita protecção divina, a incompetência da Carris que, segundo ele, e aliado ao facto do senhor gostar muito de bandas, deviam ser razão suficiente para ser de imediato autorizado a entrar na sala, o estado de um país em que as pessoas boas se vão embora e só cá ficam as más, como os cabo verdianos e os de leste... Este Umberto não ficava com nada por dizer, até porque se ficasse ia para casa dar porrada na mulher e coitada, ela não tinha culpa nenhuma. Diz ele que é como a Beatriz Costa, diz tudo e di-lo na cara. Lá consegui que o rapazola arrastasse o corpinho, sempre em constante barafusta, para fora das imediações, mas não para muito longe, nem por muito tempo. Desta feita, deu-me cinco minutos para chamar alguém responsável pela produção do espectáculo do lado da PSP. Foram cinco que perdeu a barafustar sozinho. Nem uma palha mexi. Desistiu. Foi a vez de aterrorizar a Segurança, bem ditos minutos de descanso. Safa que cheiras mal! Irra que és chato. Não durou. O tempo passou, como passa quando estamos a fazer alguma coisa que adoramos. A verdade é que o que é bom acaba muito depressa. Fim do espectáculo e tínhamos a divina comédia de volta. Era tempo do chavão Livro de Reclamações, já cá faltava. Tinha outros cinco minutos para lhe fazer chegar o afamado livro. Este chalado e os limites de tempo. É que não se manca. Deixei-o três à espera, durante os quais ameaçou a saída seis vezes. Sem sucesso. Saio para enfrentar o bicho e os já esperados insultos sucedem-se, as ameaças são às dúzias e de novo a puxada dos galões. Parece que me vou relacionar publicamente para Bragança. Hoje o dia ia ser de terríveis consequências para mim. Até agora, nada. Haja paciência...!

Mas este fica para a história. Para a minha, quanto mais não seja. O meu primeiro inimigo...

segunda-feira, Novembro 16, 2009

The Simpsons 20th Anniversary



Palavras para quê?

quinta-feira, Novembro 12, 2009

Ontem


O Regresso II

Vou voltar. Bem lá no fundo, nunca cheguei mesmo a ir embora. Quero voltar. E vou. Vou perder (leia-se ganhar) tempo.  Tempo que entre as letras coladas em palavras geram as frases - às vezes sem sentido - de que sinto falta. O tempo não é desculpa e o tema é indiferente. Já voltei. Nem que seja por este momento. Momento em que num suspiro do tempo e do espaço reajo à urgente vontade  - que tenho - de voltar a este lugar. Voltei!

sexta-feira, Novembro 06, 2009

quarta-feira, Junho 03, 2009

(Des)Abafo

Não escrevo. Não tem apetecido. Mas sinto falta que apeteça. Sinto falta da vontade de carimbar letras num monitor. De escrever uma frase que abra portas, às vezes janelas ou outras fissuras, para mais algumas - muitas - palavras. Nem que sejam soltas. Perdidas, desconexas. Acho que os temas não me encontram. Não me abalam, nem puxam. E agora não os sinto. Não os penso em forma de texto, não os filtro para as teclas. Mas não me importo. Seguro, guardo e espero o momento em que as frases me voltem a roubar o tempo que lhes emprestava, que me voltem ser tatuadas nas pontas dos dedos as letras soltas de um qualquer teclado.

quarta-feira, Maio 13, 2009

segunda-feira, Março 23, 2009

quinta-feira, Março 19, 2009

Q de Quê...?

Conheci alguém com um certo Q. Um Q de queda-te aqui quieta comigo, um Q de quero-te tantas e quantas as vezes quantas me queiras... e mais algumas. Um Q de não conseguir conter palavras. Q de quem és tu? Um Q de cair de quatro quando te vejo. De querida, querida, querida. Um Q de quando, como e porquê. De coro sempre quando chegas. Um Q de conheço o teu sorriso de cor e nem o Q de quântico o explica. Um Q de tanta quantidade como de qualidade. Um Q de gosto de ti, de quietly in love, de quanto mais melhor. Q de (quase) perfeito, de queres namorar comigo? Um Q de quero tudo, Q de ti, Q de nós. Um Q de conta comigo, de quero-me contigo. Q de criativa, Q de artista. Q de quá-quá. Um Q de sorriso infinito, de quimera meu anjo azul. Q de página em branco, de tranquilidade. Q de arde, sem queimar. Q de querer conhecer-te mais e mais...

O Q é uma letra complexa e difícil de desenhar. Curiosa, no mínimo original. Q de quê...?

sexta-feira, Março 06, 2009

quinta-feira, Fevereiro 26, 2009

...

"Les beaux esprits se rencontrent."
Voltaire

Diferença, diferente?

A diferença está no nós. Não em mim. A diferença é o curto espaço entre nós. No que se passa e não em quem se passa. Num conjunto de formas. Numa silhueta. No que não se explica. No que verdadeiramente é. O Abstracto não tem forma. Existe.

terça-feira, Fevereiro 17, 2009

Voar Baixinho

Leva-me em voo raso o meu pensamento que tem - hoje - só um sentido. Diferente na forma e no contorno, de traço leve e fluído. Contínuo. Alucinante sem ser ansioso, transparente e quase invisível - parece seguro. Sente-se como deve sentir-se uma nuvem em mãos geladas. Suave. Um raso flutuante que me envolve quase sem me tocar, que se queda sem se notar até ao momento em que o chão deixa de estar ao alcance da minha vontade. Lento, em crescendo, um voo sem tempo. Sem espaço. Um voo sem asas que rasga sorrisos. Silencioso, sem palavras, um mudo que diz tudo...

...

A maioria pensa com a sensibilidade, eu sinto com o pensamento. Para o homem vulgar, sentir é viver e pensar é saber viver. Para mim, pensar é viver e sentir não é mais que o alimento de pensar.
Fernando Pessoa

segunda-feira, Fevereiro 16, 2009